Conheça o Notes, novo recurso do Twitter que permite escrever ‘textões’

Ferramenta permite que os usuários criem artigos sem limite de caracteres e ainda adicionem fotos, links e tuítes incorporados

revistabaiacu - 22 de junho de 2022




O Twitter anunciou nesta quarta-feira, 22, um novo recurso que promete dar espaço para a publicação de textos mais longos na plataforma. Batizado de Notes, ele permite que os usuários criem artigos sem limite de caracteres e ainda adicionem fotos, links e tuítes incorporados ao texto, além de possibilitar o uso de formatações como o negrito e o itálico.

Por enquanto, o Notes está liberado apenas para um grupo seleto de escritores. Porém, segundo o Twitter, os textos podem ser lidos por pessoas da “maioria dos países”. No Brasil, ainda não é possível visualizar os conteúdos criados no novo formato.

Em 2017, o Twitter dobrou o seu limite de caracteres (indo de 140 para 280) e também lançou o recurso de thread (ou “fio”), que permite ao usuário criar uma sequência ordenada de tuítes que ficam agrupados em um mesmo link. A ferramenta foi amplamente utilizada pelos usuários, que publicaram fios sobre diversos assuntos, de temáticas como saúde e segurança até humor e entretenimento.

? Introducing: Notes ?

We’re testing a way to write longer on Twitter. pic.twitter.com/SnrS4Q6toX

Com o passar do tempo, porém, o uso de prints do bloco de notas do telefone se tornou comum entre os usuários que queriam compartilhar textos mais longos na plataforma. A vantagem do Notes é que, agora, esses textos são indexáveis e podem ser mais facilmente encontrados por motores de busca, assim como as publicações de blogs como o WordPress e o Medium. O lançamento desse recurso já estava sendo previsto por pesquisadores e desenvolvedores da área, que publicaram prints da ferramenta em seus perfis, antes chamada de “Twitter Articles”.

Em 2021, o Twitter tentou algo parecido ao comprar a empresa de newsletters Revue, e integrar esses textos ao perfil dos usuários, com intuito de enfrentar rivais como a Substack. No entanto, o recurso não ganhou muita popularidade.