Dívida pública federal sobe 1,6% em novembro em meio a cenário de incerteza fiscal

Dívida pública federal sobe 1,6% em novembro em meio a cenário de incerteza fiscal Confira!

Dívida pública federal sobe 1,6% em novembro em meio a cenário de incerteza fiscal

BRASÍLIA (Reuters) -A dívida pública federal do Brasil subiu 1,60% em novembro sobre outubro, a ...

Dívida pública federal sobe 1,6% em novembro em meio a cenário de incerteza fiscal
Imagem: Reprodução | Divulgação



BRASÍLIA (Reuters) -A dívida pública federal do Brasil subiu 1,60% em novembro sobre outubro, a 5,871 trilhões de reais, informou o Tesouro Nacional nesta terça-feira, em meio a um cenário de ampliação de riscos relacionados ao quadro fiscal do país.

No período, a dívida pública mobiliária interna teve alta de 1,59%, a 5,616 trilhões de reais.

De acordo com o Tesouro, a elevação de 92,6 bilhões no estoque da dívida é explicada por uma emissão líquida de 41,25 bilhões de reais e a apropriação positiva de juros de 51,31 bilhões de reais.

Segundo o órgão, novembro foi marcado pela elevada volatilidade doméstica e alta dos juros futuros, apesar de um cenário externo mais positivo, “refletindo preocupações do mercado com incertezas fiscais para 2023”.

O custo médio do estoque da dívida pública federal acumulado em 12 meses aumentou, passando de 10,04% ao ano em outubro para 10,16% no mês passado.

Em relação às novas emissões de títulos da dívida interna, o custo médio também subiu, indo de 11,8% para 11,9% ao ano.

No período, houve leve recuo no prazo médio de vencimento dos títulos brasileiros para 3,98 anos, ante 4,03 anos registrados em outubro.

Em relação ao colchão de liquidez para pagamento da dívida pública, houve uma elevação de 11,00% em novembro, a 1,142 trilhão de reais. O montante é suficiente para quitar 9,30 meses de vencimentos de títulos, valor considerado confortável pelo Tesouro –em outubro, estava em 8,97 meses.

Para o mês de dezembro, o Tesouro vê cenário externo mais cauteloso e mercado local com maior aversão ao risco “diante da continuidade do sentimento de incerteza quanto ao cenário fiscal brasileiro para 2023, o que refletiu no aumento de nível da curva de juros futuros”.

As incertezas fiscais no período estão relacionadas às negociações para ampliar gastos públicos em 2023, que terminaram com a aprovação da PEC da Transição, além da indefinição sobre um novo arcabouço para substituir o teto de gastos.

+Os melhores conteúdos no seu e-mail gratuitamente. Escolha a sua Newsletter favorita do Terra. Clique aqui!

Todos os Direitos Reservados
Developed By Old SchooL