Hierarquia na Colina: como fica a estrutura da SAF do Vasco em possível venda para a 777 Partners

Paulo Bracks deverá ser o principal dirigente do Cruz-Maltino se a AGE deste domingo disser 'sim' à operação que...

revistabaiacu - 5 de agosto de 2022
Hierarquia na Colina: como fica a estrutura da SAF do Vasco em possível venda para a 777 Partners



Caso seja aprovada a venda da parte majoritária da SAF do Vasco, neste domingo, a rede de comando do Cruz-Maltino, no que diz respeito ao futebol, muda. A hierarquia montada a partir do presidente do clube deixa de chegar aos jogadores, que passam a seguir um organograma que tem origem nos EUA. Mais especificamente na 777 Partners, cujos sócios-fundadores são Josh Wander e Steven Pasko.

A empresa estadunidense possui outros diretores que têm rosto e nomes já conhecidos da torcida vascaína, como Juan Arciniegas. Na prática, porém, o futebol da 777 tem Don Dransfield como CEO. O ex-executivo do Grupo City tem, desde que foi contratado no final de maio, a missão de liderar não só o Vasco, mas também os outros clubes do grupo.

Abaixo dele está Johannes Spors, que era diretor do Genoa quando esteve no CT do Vasco pela primeira vez. Agora, promovido, é diretor esportivo da 777 Football Group. Ele também tem função global na companhia que tem ações em clubes da Itália, Espanha, França e Bélgica – mas promete fazer do Vasco seu carro-chefe.

Diretamente no Vasco, o nome mais importante até o momento é Paulo Bracks. O executivo chega para a função que teve Rodrigo Caetano e Juninho Pernambucano cogitados e sondados, mas sem avanço. O dirigente, até onde se sabe, será o primeiro na hierarquia exclusivamente vascaína. Vai se reportar a Johannes, assim como os diretores principais de Genoa (ITA), Standard de Liège (BEL), etc.

Bracks já foi citado pelo Vasco, mas não anunciado. Já vem trabalhando de forma informal. Foi ele, diretamente, quem conduziu a sondagem a Odair Hellmann, por exemplo. Atual gerente de futebol do clube, Carlos Brazil segue sua rotina e deve continuar no departamento caso virada a chave efetivamente. Mesmo que sem a mesma autonomia.

Por outro lado, Luiz Mello, atual CEO do clube deve continuar na função. No clube, separado do futebol.