Mortara segura liderança do início ao fim e vence corrida 1 da Fórmula E em Berlim

Edoardo Mortara vence corrida 1 da Fórmula E em Berlim após garantir pole de manhã e segurar liderança ao...

revistabaiacu - 14 de maio de 2022
Mortara segura liderança do início ao fim e vence corrida 1 da Fórmula E em Berlim



MUDANÇAS À VISTA! MERCADO DE PILOTOS PEGA FOGO NA FÓRMULA E ÀS VESPERAS DE BERLIM

A Fórmula E retornou a Berlim neste final de semana para duas corridas em Tempelhof, e Edoardo Mortara garantiu a vitória da corrida 1 para a Venturi neste sábado (14) após largar na pole e segurar a liderança até a bandeirada final. O suíço fez uma pilotagem segura do início ao fim, perdendo o primeiro lugar apenas nas ativações do modo de ataque, e voltou a vencer pela equipe monegasca após ser pole pela primeira vez nesta manhã.

A corrida em Berlim, se não reservou grandes ameaças a Mortara pela vitória, ao menos teve bastante movimentação em todo o resto do grid. O brasileiro Sérgio Sette Câmara não conseguiu se manter no top-10 após largar em sétimo, enquanto Lucas Di Grassi conseguia fazer boa recuperação após sair em 13º — mas precisou abandonar após ativar o modo de ataque.

A Fórmula E ainda corre novamente em Berlim neste domingo, às 10h (horário de Brasília)

Mortara manteve a liderança sem maiores problemas na largada, enquanto Sérgio Sette Câmara acabou perdendo duas posições — para Evans e Dennis — e passou a ser o nono. Alexander Sims também conseguiu segurar o segundo lugar, logo à frente de António Félix da Costa e André Lotterer, que deixou Jean-Èric Vergne para trás.

O francês da DS Techeetah, bicampeão da categoria e vice-líder do Mundial de Pilotos, não começou bem a corrida em Berlim. Após ser superado por Lotterer logo na largada, Vergne ainda viu a outra Porsche, de Pascal Wehrlein, deixá-lo para trás logo em seguida.

Na perseguição ao líder Mortara, Da Costa forçou o ritmo com pouco mais de 40 minutos para o encerramento da corrida e foi para cima de Sims, que não conseguiu segurar o ritmo do português da DS Techeetah e perdeu o segundo lugar. O britânico apresentava dificuldades para segurar os outros carros com o equipamento da Mahindra, e logo em seguida perdeu mais duas posições, para Lotterer e Vergne.

Neste momento, a ordem do top-10 era: Mortara, Da Costa, Lotterer, Vergne, Sims, Wehrlein, Evans, Dennis, Sette Câmara e De Vries.

Pascal Wehrlein sofreu com danos no carro na corrida deste sábado em Berlim (Foto: Porsche)

Com pouco mais de 36 minutos para o fim, a direção de prova anunciou que o líder da corrida, Edoardo Mortara, seria investigado pelos comissários após a disputa por ultrapassar a velocidade permitida dentro do pit-lane.

Wehrlein e De Vries foram os primeiros a fazerem uso do modo de ataque — que dá 13% a mais de potência aos carros — com pouco mais de meia hora para o final da disputa. Na corrida deste sábado, a potência extra foi de quatro minutos em cada ativação, com duas ativações obrigatórias a todos os pilotos.

Logo em seguida, Sims, Di Grassi, Lotterer e Robin Frijns foram pelo mesmo caminho, porém sem grandes alterações na classificação de imediato — o brasileiro ainda conseguiu ganhar a posição do compatriota Sette Câmara, assumindo o 11º lugar. Lá na frente, Wehrlein aproveitou o ganho de potência para tomar o terceiro lugar de Lotterer — que ainda perdeu a quarta colocação para Sims — e o segundo posto de Da Costa.

O português, aliás, despencou no grid: após perder o segundo lugar para Wehrlein, foi ultrapassado por Lotterer, Vergne e Sims quando optou por ativar o modo de ataque pela primeira vez. O alemão da Porsche continuou forçando o ritmo, foi para cima do companheiro de equipe e tomou o segundo lugar.

Andre Lotterer brigou pela vitória do início ao fim em Berlim (Foto: Porsche)

Logo atrás, mais uma briga interna: Da Costa e Vergne deixaram Wehrlein — com danos no chassi do carro — para trás e duelaram diretamente pelo terceiro lugar. Melhor para o português, que deixou o francês para trás e entrou no top-3. Atrás dos carros da DS Techeetah e da Porsche de Pascal, Sims, Vandoorne, Dennis, Di Grassi e Oliver Rowland fechavam o top-10 neste momento.

Com pouco mais de 20 minutos para o encerramento da corrida, o líder Mortara optou por ativar o modo de ataque pela primeira vez. O suíço perdeu momentaneamente o primeiro lugar para Lotterer, mas utilizou a potência extra pra recuperar a ponta logo em seguida.

Enquanto Mortara abria vantagem na liderança em relação a Lotterer, a briga seguia mais movimentada logo atrás. Vergne foi para cima e tomou o terceiro lugar de Sims, enquanto Da Costa optou por ativar o modo ataque após ser ultrapassado de forma sequencial por Vandoorne e Wehrlein. Neste momento, Di Grassi precisou ir aos boxes e despencou para o último lugar.

Vandoorne seguiu tentando se recuperar na corrida — chegou a ocupar o 11º lugar — e iniciou a pressão sobre Sims, que não conseguiu segurar o ritmo da Mercedes e cedeu o quarto lugar ao líder do campeonato. Logo em seguida, o belga colocou por dentro e também deixou Vergne para trás — o francês ainda foi ultrapassado por Da Costa logo em seguida.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Stoffel Vandoorne acumulou ultrapassagens em Berlim (Foto: Mercedes EQ)

André Lotterer partiu para a segunda ativação do modo ataque, o que lhe custou a segunda posição — herdada por Vandoorne. No entanto, o belga optou pelo mesmo caminho na volta seguinte e retornou logo atrás do alemão da Porsche. Neste momento, eram os únicos pilotos dentro do top-10 com a potência extra ativada. Aproveitando a briga entre segundo e o terceiro colocados, Mortara abria vantagem na liderança.

A briga pela vitória foi se afunilando até o final, principalmente com a ativação dos modos de ataque. Mortara precisou abrir para alcançar a potência extra pela segunda vez, o que o fez perder os dois primeiros lugares. Ainda assim, o suíço conseguiu se manter próximo aos ponteiros Lotterer e Da Costa para aproveitar o ganho de velocidade e retomar a ponta com pouco menos de sete minutos para o final.

Em briga direta pela liderança do Mundial de Pilotos, o vice-líder da classificação Vergne foi para cima do líder do campeonato — Vandoorne — e tomou o segundo lugar da corrida, atrás apenas de Mortara — que no entanto, não conseguia se distanciar dos carros de trás.

Desta forma, Vergne não desistiu de buscar a vitória até o fim e colocou de lado sobre Mortara com pouco mais de um minuto para o encerramento da corrida. O suíço da Venturi, entretanto, manteve a calma e conseguiu sustentar a posição após se defender do movimento do francês.

Enquanto Edoardo disparava na primeira colocação, a briga ficou intensa logo atrás: Evans ganhou diversas posições e entrou no top-5, e a disputa pelo segundo lugar foi travada ferrenhamente por Vergne e Vandoorne, com vantagem para o francês. Sem maiores problemas, Mortara cruzou a linha de chegada na primeira colocação.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.