Palmeiras vê ruir série invicta de 19 jogos e tem São Paulo como principal algoz em 2022

Time alviverde perdeu apenas quatro jogos no ano, dois deles para o rival tricolor

revistabaiacu - 24 de junho de 2022




O Palmeiras ficou a um jogo de igualar a série invicta de 20 partidas, que obteve com Vanderlei Luxemburgo, em 2020. Não conseguiu emendar a mesma sequência de duelos sem perder porque o São Paulo impediu. O time de Abel Ferreira permaneceu 19 jogos invicto na temporada.

Ainda que o revés por 1 a 0 para o São Paulo incomode e deixe a equipe em desvantagem nas oitavas de final da Copa do Brasil, os números do Palmeiras em 2022 continuam excelentes. O time sofreu apenas a quarta derrota no ano. O São Paulo é o maior algoz, responsável por dois desses reveses. Os outros foram para o Chelsea, na decisão do Mundial de Clubes, e para o Ceará, na estreia do Brasileirão.

“Qualquer adversário quer tirar o melhor resultado. Nossa responsabilidade é derrotar todo adversário que apareça. Ainda bem que é só a quarta derrota em sei lá quantos jogos. Sinal que as coisas estão sendo bem feitas”, opinou o auxiliar João Martins. Foi novamente ele que comandou a equipe no Morumbi. O chefe Abel Ferreira testou negativo para a covid-19, mas a CBF prevê sete dias de isolamento, portanto, não liberou o treinador para retomar seu posto.

Abel estará na beira do gramado no próximo domingo, quando o Palmeiras visita o Avaí em Florianópolis com a ideia de dar prosseguimento a boa campanha no Brasileirão, que lidera com 28 pontos. Depois, na quarta-feira, o compromisso é pelas oitavas da Libertadores no Paraguai, onde encara o Cerro Porteño, encerrando a sequência de quatro partidas como visitante.

Em meio à desgastante maratona de jogos, no Palmeiras, não se fala em priorizar campeonatos, ainda que o time lidere o Brasileirão. Segundo a comissão técnica, vão jogar os que estiverem melhores fisicamente.

“Sempre falamos nas reuniões da CBF que o mínimo são 72h entre cada jogo. Agora teremos uma série de 5 jogos com dois dias de diferença. Não há equipe que aguente”, reclamou João Martins. “Não é priorizar, é escolher os jogadores que estão melhor. É cansativo, mas a regra do jogo é essa. Vamos testar o nosso limite e gerir esses jogadores para não se lesionar, mas as lesões vão acontecer. Esse desgaste não sabemos o que vai acontecer vamos trabalhar os limites e vamos ver essa sequência de cinco jogos em dois e dois dias”.

O Palmeiras revê o São Paulo apenas daqui a três semanas. No Allianz Parque, terá de vencer por dois gols de diferença para reverter a vantagem obtida pelo rival, que joga pelo empate. Em caso de vitória palmeirense com um gol de vantagem, a decisão da vaga será nos pênaltis.

“A eliminatória está em aberto e vai ser nós contra eles. Que ganhe o melhor e esperamos que sejamos nós”, sentenciou João Martins.