Primeiro teletransporte holográfico internacional é realizado entre EUA e Canadá

A combinação entre holograma e teletransporte foi conseguida com o uso dos óculos HoloLens da Microsoft

revistabaiacu - 5 de agosto de 2022
Primeiro teletransporte holográfico internacional é realizado entre EUA e Canadá



Pesquisadores da Universidade Western Ontário, no Canadá, realizaram o primeiro teletransporte holográfico internacional do mundo. Essa combinação entre holograma e teletransporte ocorre quando a imagem de uma pessoa ou objeto é transmitida instantaneamente de um lugar para outro.

Segundo os cientistas, em abril desse ano a NASA fez algo parecido, “teletransportando” um médico para dentro da Estação Espacial Internacional (ISS). A diferença é que agora uma pessoa conseguiu cruzar uma fronteira internacional virtualmente com a ajuda de óculos especiais.

“Tivemos a incrível oportunidade de demonstrar o primeiro teletransporte holográfico internacional de duas vias. Transportamos uma pessoa do Alabama, nos EUA, para Ontário, no Canadá, e depois fizemos o caminho contrário, sem ter que pagar por hospedagem ou passagem aérea”, brinca o professor de engenharia Adam Sirek, autor principal do projeto.

Para realizar esse experimento incrível de tecnologia, os pesquisadores usaram o HoloLens — óculos de realidade virtual (RV) desenvolvidos pela Microsoft — e um software específico criado pela empresa Aexa Aerospace, com sede em Houston, nos Estados Unidos.

O sistema envolve uma câmera especial capaz de criar uma imagem holográfica de um determinado assunto que, depois de processada, é enviada para o destino escolhido. Uma pessoa do outro lado da linha usando o HoloLens consegue ver essa imagem como se ela estivesse fisicamente no ambiente de destino.

“Se ambos estiverem usando o HoloLens, eles podem interagir no ambiente um do outro como se realmente estivessem lá e isso é muito chocante. É como se eu pudesse praticamente apertar a mão da pessoa do outro lado da linha”, acrescenta o estudante de medicina Adam Levschuk.

Atualmente, todo o equipamento utilizado no teletransporte holográfico custa cerca de US$ 5 mil (aproximadamente R$ 26,5 mil na cotação atual). Um custo elevado, mas relativamente menor quando comparado com o preço de passagens aéreas ou hospedagens se a pessoa tiver que se deslocar fisicamente até o local.

A ideia agora é aperfeiçoar o protótipo, acrescentando biossensores capazes de monitorar a frequência cardíaca e a saturação de oxigênio no sangue, além de sensores hápticos que possam transmitir a sensação de toque e aumentar a interação entre os usuários do HoloLens.

No futuro, os pesquisadores acreditam que essa tecnologia possa ser usada para facilitar o acesso de médicos à áreas remotas ou, simplesmente, para conectar pessoas a quilômetros de distância, aumentando a experiência interativa durante uma conversa virtual.

“Nós olhamos para isso de uma perspectiva espacial. Já pensou como seria se um astronauta que estivesse em uma missão de três meses no espaço pudesse descer e se sentar na sala de casa, para um jantar em família sempre que tivesse vontade? Isso seria incrível, para dizer o mínimo”, encerra o professor Sirek.

Trending no Canaltech: