Reino Unido e sindicatos de profissionais de saúde concordam em aumento salarial após meses de greves

Reino Unido e sindicatos de profissionais de saúde concordam em aumento salarial após meses de greves Confira!

Reino Unido e sindicatos de profissionais de saúde concordam em aumento salarial após meses de greves

O governo britânico e os sindicatos de profissionais de saúde concordaram nesta quinta-feira com ...

Reino Unido e sindicatos de profissionais de saúde concordam em aumento salarial após meses de greves
Imagem: Reprodução | Divulgação



O governo britânico e os sindicatos de profissionais de saúde concordaram nesta quinta-feira com uma proposta de aumento salarial de 5% para o período de 12 meses a partir de abril, instando os trabalhadores a aceitá-la, encerrando potencialmente as greves que interromperam o Serviço Nacional de Saúde do país (NHS) por meses.

O novo acordo incluiria 1 milhão de enfermeiros, paramédicos, parteiros e outros trabalhadores na Inglaterra por dois anos até o início de abril de 2024. As greves só terminarão se os membros aprovarem o acordo após um período de consulta dos sindicatos, quase todos os quais recomendaram a nova proposta.

“Esta oferta é boa para a equipe do NHS, é boa para o contribuinte e, mais importante, é uma boa notícia para os pacientes cujos cuidados não serão mais interrompidos pela greve”, disse o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak.

Sunak está sob crescente pressão para reprimir a pior onda de agitação dos trabalhadores britânicos desde os anos 1980, com greves afetando quase todos os aspectos da vida cotidiana, desde saúde e transporte, até escolas e verificações de fronteira.

Ambos os lados acreditam que a nova oferta representa um “acordo justo e razoável”, afirma uma declaração conjunta do governo e de um grupo de empregadores e sindicatos do NHS. O acordo não se aplica a médicos iniciantes, que estão em uma disputa separada.

A oferta inclui um pagamento único de 2% dos salários de 2022/23 e um aumento salarial de 5% para 2023/24, que começa no início de abril, informou o governo. Nenhum custo global para o erário público foi fornecido.

Três dos sindicatos disseram que recomendaram que seus membros aceitassem a proposta, argumentando que, embora ela não atendesse a todas as suas preocupações, representava um progresso. Os sindicatos em geral buscavam aumentos salariais mais alinhados com a inflação, que está próxima de 10%.

“Os membros tomaram a decisão mais difícil de entrar em greve e acredito que eles foram justificados hoje”, disse o secretário-geral do RCN, Pat Cullen. “Não é uma panaceia, mas é um progresso real e tangível.”

O sindicato Unite disse que interromperia a ação de greve enquanto os membros fossem consultados, mas não foi capaz de recomendar a oferta. O sindicato não deu uma razão específica para esta decisão.

O NHS, que é gratuito desde 1948 e motivo de orgulho para muitos britânicos, foi particularmente afetado por greves num momento que já enfrentava uma crise de pessoal e lutava para se recuperar da tensão induzida pela pandemia.

O acordo é um avanço significativo, chegando um dia depois de meio milhão de britânicos terem entrado em greve para coincidir com o anúncio do orçamento do governo. No mês passado, dezenas de milhares de enfermeiras e funcionários do serviço de ambulância realizaram a maior greve dos 75 anos de história do NHS.

+Os melhores conteúdos no seu e-mail gratuitamente. Escolha a sua Newsletter favorita do Terra. Clique aqui!

Todos os Direitos Reservados
Developed By Old SchooL