Sustentabilidade não pode ser exclusividade da esquerda, afirma cientista política

Sustentabilidade não pode ser exclusividade da esquerda, afirma cientista política Confira!

Sustentabilidade não pode ser exclusividade da esquerda, afirma cientista política

Para Mônica Sodré, diretora executiva Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (RAPS), discussões sobre o tema devem envolver diferentes agentes políticos

Sustentabilidade não pode ser exclusividade da esquerda, afirma cientista política
Imagem: Reprodução | Divulgação



Para que a agenda da sustentabilidade avance na sociedade, o tema não pode ser visto como uma pauta exclusiva de políticos de esquerda, defendeu a cientista política e diretora executiva da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (RAPS), Mônica Sodré. Segundo uma pesquisa da organização, junto da rede Uma Concertação pela Amazônia, quase metade dos deputados e senadores da atual legislatura votou contra pautas ambientais, uma questão que deveria ser uma prioridade dos agentes políticos.

A fala de Sodré ocorreu no Fórum Estadão Think “Amazônia é a solução”, realizado em parceria pelo Estadão com a RAPS, onde ocorreu o lançamento de uma série de propostas para a Amazônia, criadas pela rede Uma Concertação Pela Amazônia.

Sodré ainda mencionou outra pesquisa realizada pela Raps, junto da Fundação Getulio Vargas (FGV) e o Instituto Clima e Sociedade, que mostra que a maior parte dos congressistas brasileiros defendem o investimento em energias renováveis como política prioritária para combater o aquecimento global, apesar de grande parte das emissões de gases de efeito estufa advir do desmatamento no Brasil. Segundo Sodré, isso “mostra um certo descolamento, embora, é claro, a transição energética seja importante”.

A diretora da Raps defendeu que, apesar de importantes, as eleições são somente uma parte do processo democrático, onde é preciso atenção para a agenda de direitos. “A gente precisar cuidar e observar e trabalhar todos os dias para que essas desigualdades não acabem aprofundando as fissuras que a nossa democracia tem, e fragilizando-a, portanto”, afirmou, mencionando que as populações mais vulneráveis são aquelas que tem mais medo e tendem a apoiar medidas mais autoritárias.

Para contornar o problema, Sodré sugere uma maior conexão entre o mundo político e o desenvolvimento sustentável, com participação dos partidos e da sociedade, além da educação dos agentes públicos para compreenderem os desafios que o tema traz.

+Os melhores conteúdos no seu e-mail gratuitamente. Escolha a sua Newsletter favorita do Terra. Clique aqui!

Todos os Direitos Reservados
Developed By Old SchooL