Telemarketing abusivo cai 55% após restrições da Anatel

Agência determinou que empresas adotassem providências para cessar sobrecarga de chamadas aos consumidores

revistabaiacu - 5 de agosto de 2022




BRASÍLIA – O volume de chamadas telefônicas de duração curta registrou uma queda de 55% após a ação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que em junho determinou uma série de medidas para coibir o telemarketing abusivo e o uso de robocalls.

O número dessas chamadas curtas caiu de 1,21 bilhão registrado na semana de publicação da cautelar para cerca 550 milhões na semana de 10 a 16 de julho, aponta relatório parcial divulgado pela Anatel.

Na decisão de junho, a agência fixou que as empresas adotassem, em 15 dias, providências para cessar a sobrecarga de chamadas aos consumidores sem efetiva comunicação. Após esse prazo, as prestadoras de serviço deveriam realizar o bloqueio das chamadas, pelo período de 15 dias, das empresas que realizassem 100 mil chamadas ou mais, em ao menos um dia, com duração de até 3 segundos.

De acordo com a Anatel, após o período de adaptação, 186 usuários tiveram seus recursos de telecomunicações bloqueados por 15 dias por infringirem o limite de 100 mil chamadas curtas diárias. Esses usuários, juntos, realizaram cerca de 4,2 bilhões de chamadas curtas no período.

A agência informou também que os principais ofensores são empresas que oferecem infraestrutura de telecomunicações para centrais de atendimento, empresas de serviços especializados de teleatendimento, telemarketing e cobrança, empresas de telecomunicações e do setor financeiro (bancos, empresas de crédito e cobrança/escritórios de advocacia). Nesta quinta-feira, 4, o conselho da Anatel determinou que a área técnica do órgão estude a proposição de um código específico para chamadas de cobrança, a exemplo do 0303 adotado para o telemarketing.