Ucrânia quer que acordo de passagem segura seja estendido além dos grãos

Três navios de grãos deixaram os portos ucranianos nesta sexta-feira, enquanto o primeiro navio ...

revistabaiacu - 5 de agosto de 2022




Três navios de grãos deixaram os portos ucranianos nesta sexta-feira, enquanto o primeiro navio a chegar à Ucrânia desde a invasão da Rússia estava programado para receber cargas no final do dia, em meio a pedidos de Kiev para que o acordo de passagem segura seja estendido a outras cargas, como metais.

O acordo de 22 de julho marcou um raro avanço diplomático à medida que a guerra se alastra no leste da Ucrânia, com Kiev tentando reconstruir sua economia destruída após mais de cinco meses de conflito.

“Esperamos que as garantias de segurança de nossos parceiros da ONU e da Turquia continuem funcionando, e as exportações de alimentos de nossos portos se tornem estáveis e previsíveis para todos os participantes do mercado”, disse o ministro da Infraestrutura ucraniano, Oleksandr Kubrakov, no Facebook, após a partida dos navios.

O primeiro navio de grãos deixou Odessa na segunda-feira.

“Este acordo é sobre logística, sobre o movimento de navios através do Mar Negro”, disse o vice-ministro da Economia ucraniano, Taras Kachka, ao Financial Times. “Qual é a diferença entre grãos e minério de ferro?”

O Kremlin disse que uma solução só pode ser encontrada se estiver atrelada à suspensão das restrições aos produtores de metal russos.

As Nações Unidas e a Turquia intermediaram o acordo de passagem segura entre Moscou e Kiev após alertas da ONU sobre surtos de fome devido à interrupção dos embarques de grãos da Ucrânia.

O presidente russo, Vladimir Putin, enviou tropas para a Ucrânia em 24 de fevereiro, provocando o maior conflito na Europa desde a Segunda Guerra Mundial e alimentando uma crise global de energia e alimentos.

Na sexta-feira, dois navios de grãos partiram de Chornomorsk e um de Odessa, transportando um total de cerca de 58.000 toneladas de milho, informou o Ministério da Defesa turco.

O navio graneleiro turco Osprey S, com bandeira da Libéria, deveria chegar a Chornomorsk na sexta-feira para carregar grãos, disse a administração regional de Odessa.

A Rússia e a Ucrânia tradicionalmente produzem cerca de um terço do trigo global e a Rússia é o principal fornecedor de energia da Europa.

Mas a Rússia disse na sexta-feira que pode não atingir sua colheita esperada de 130 milhões de toneladas de grãos devido a fatores climáticos e à falta de peças de reposição para equipamentos fabricados no exterior.

As exportações de grãos da Ucrânia caíram 48,6% ano a ano, para 1,23 milhão de toneladas até agora nesta temporada, disse o Ministério da Agricultura.

ZONA DE TAMPÃO

Após cinco meses de combates, o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy descreveu nesta semana a pressão sob suas forças armadas na região leste de Donbas como “inferno”.

Moscou está tentando controlar Donbas, em grande parte de língua russa, composto pelas províncias de Luhansk e Donetsk, onde separatistas pró-Moscou tomaram território depois que o Kremlin anexou a Crimeia ao sul em 2014.

Zelenskiy falou de combates ferozes em torno da cidade de Avdiivka e da vila fortificada de Pisky, onde a Ucrânia reconheceu o “sucesso parcial” de seu inimigo russo nos últimos dias.

A agência de notícias russa TASS citou forças separatistas dizendo que forças russas e pró-russas assumiram o controle total de Pisky. Eles também disseram que o combate estava ocorrendo na cidade de Bakhmut, ao norte de Donetsk.

A Ucrânia passou os últimos oito anos fortalecendo posições defensivas em Pisky, vendo-a como uma zona tampão contra as forças apoiadas pela Rússia que mantêm a cidade de Donetsk cerca de 10 km a sudeste.

O general ucraniano Oleksiy Hromov disse que suas forças retomaram duas aldeias ao redor da cidade oriental de Sloviansk, mas foram empurradas de volta para a cidade de Avdiivka depois de serem forçadas a abandonar uma mina de carvão considerada uma importante posição defensiva.

O Ministério da Defesa russo confirmou sua ofensiva.

A Reuters não pôde verificar imediatamente as afirmações de nenhum dos lados sobre os desenvolvimentos no campo de batalha.