Vítor Pereira defende Rafael Ramos de acusação de racismo: ‘Acredito nele’

Técnico do Corinthians diz ter conversado com o lateral-direito: 'Acho praticamente impossível ele ter dito'

revistabaiacu - 14 de maio de 2022




O técnico Vítor Pereira também se posicionou, neste sábado, sobre a acusação de racismo feita pelo volante Edenilson contra o lateral-direito Rafael Ramos, compatriota do técnico português, durante o empate entre Internacional e Corinthians, no Beira-Rio, pelo Brasileirão. O treinador defendeu o atleta corintiano e diz acreditar na versão do jogador, que nega ter chamado o volante de “macaco”.

“Acredito no Rafael, no que ele me disse. Conhecendo ele, sinceramente, acho praticamente impossível ele ter dito. Conversei com o Edenílson, acredito nele também. Eu pensei que o brasileiro e português fossem a mesma língua, mas não são”, afirmou o treinador português.

Após o jogo, Edenílson prestou queixa à Polícia Civil, que também colheu depoimentos do árbitro Bráulio Machado e do jogador Rafael Ramos, além de outras testemunhas. Inter e Corinthians condenaram qualquer prática de injúria racial.

O Corinthians foi um time completamente diferente na volta do intervalo. Presa fácil para o rival colorado no primeira etapa, o time de Vítor Pereira dominou as ações no segundo tempo e poderia ter saído com a vitória de Porto Alegre. O “espírito forte” do time alvinegro foi destacado pelo treinador português após a partida.

“Essa reação só é possível com uma equipe determinada, que não estava satisfeita com o que estava acontecendo e sabe que tem capacidade para fazer melhor. Na primeira vez reagimos. Na segunda, depois de ajustar um pouquinho, voltamos melhores e mais fortes, empurrando o Inter para trás, como fizeram conosco no primeiro tempo. Acabamos tendo oportunidade de fazer o terceiro, mas o resultado é o que é. Parabéns aos meus jogadores que tiveram capacidade de reagir”, declarou.

Durante o primeiro tempo, o Corinthians sofreu principalmente no lado direito do campo com as investidas de Carlos de Pena e Wanderson. Vítor Pereira passou Mantuan para o setor para ajudar na marcação, mas o Corinthians só melhorou com a entrada de Jô, causando uma maior presença dos jogadores corintianos no ataque. O comandante alvinegro elogiou a entrada do veterano, autor do gol de empate.

“Precisávamos de um atacante que segura mais a bola, que nos dá tempo para chegar no ataque, coisa que não conseguimos na primeira etapa. O Róger é mais de espaço, gosta de atacar eles, enfrentar no um contra um, mas o jogo não pedia isso. O Jô tem as características do pivô, nos dá tempo para chegar e apoiar. Fez um belo gol, podia ter feito outro. Entrou bem e estou satisfeito”.

O Corinthians volta a campo na terça-feira, dia 17, para enfrentar o Boca Juniors, no La Bombonera, pela Copa Libertadores.