Zarco se empertiga e tenta usar reveses de Aleix Espargaró e Quartararo para vencer

Ainda em busca da primeira vitória na MotoGP, francês surpreendeu em um sábado (6) de classificação bastante disputada e...

revistabaiacu - 6 de agosto de 2022
Zarco se empertiga e tenta usar reveses de Aleix Espargaró e Quartararo para vencer



MOTOGP VOLTA DAS FÉRIAS COM DISPUTA ABERTA ENTRE QUARTARARO E ALEIX ESPARGARÓ

A MotoGP voltou das férias com tudo. Na primeira classificação da segunda metade da temporada, a classe rainha do Mundial de Motovelocidade viu Johann Zarco desbancar favoritos na Grã-Bretanha e conquistar a segunda pole do ano, mas por uma margem de só 0s098 para Maverick Viñales, o segundo colocado. Jack Miller completa a primeira linha da grelha, mais 0s066 distante do ‘Top Gun’.

Embora Johann seja o terceiro colocado na classificação do Mundial de Pilotos, não seria nenhuma sandice dizer que a primeira fila é formada só por coadjuvantes. Afinal, esses sequer são os pilotos que estavam no foco dos holofotes no fim de semana em Silverstone.

Conta-giro

Johann Zarco conquistou a pole em Silverstone (Foto: Divulgação/MotoGP)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Ainda assim, a atuação deste sábado confirma o bom ano de Johann, que tem sido constante com a moto da Pramac. Até aqui, já foram quatro pódios em 11 corridas, um aproveitamento de 36%.

“É um circuito mítico e poder ir cômodo e rápido é motivo de orgulho, então estou feliz”, disse Zarco. “Ganhei confiança no quarto treino e, na primeira volta, o registro de 1min58s4 me dava muito controle. Já hoje de manhã eu tinha esperança de baixar para 1min58s”, contou.

No entanto, o piloto de 32 anos vai para o 96º GP da carreira ainda em busca da primeira vitória. E para, enfim, subir ao topo do pódio pela primeira vez, o bicampeão da Moto2 sabe que terá de encontrar algo mais na Ducati GP22.

“Preciso ganhar comodidade com a moto, mas também tenho de forçar para encontrar os limites. Espero que amanhã tenhamos um bom ritmo”, torceu. “Estou muito contente, porque é genial demonstrar que, depois das férias, tenho energia e estou pronto para aproveitar esta condição”, comentou.

“Em termos de ritmo de corrida, acho que podemos ser competitivos, embora gostaria de ter um pouco mais de margem para lutar com os demais e me manter na frente. Espero encontrar isso amanhã”, seguiu.

Quem se mostrou o adversário mais forte ao longo dos treinos foi justamente Viñales. Se adaptando pouco a pouco a RS-GP, a espanhol vem de um pódio em Assen e agora sai da primeira fila para dar sequência ao bom momento que vive com a casa de Noale.

“Estou contente de ver que todo o trabalho que estamos fazendo está dando frutos. Estou feliz de dar uma volta no limite, isso foi o que eu mais gostei. Sentir que fui no limite e dei 100% de mim”, comentou em entrevista à emissora italiana Sky Sport. “Estou muito ansioso para amanhã. Me senti muito bem durante todo o fim de semana. No TL4, fomos tivemos bom ritmo e sabemos o somos capazes de conseguir. Amanhã, teremos de ir com tudo. Não resta outra opção”, frisou.

Maverick Viñales vai sair na primeira fila pela primeira vez com a Aprilia (Foto: Divulgação/MotoGP)

Em declarações divulgadas pela Aprilia, Maverick reconhece que são muitos os pilotos fortes para o fim de semana e, por isso, a estratégia é uma só: forçar o ritmo do começo ao fim.

“Têm muitos pilotos rápidos e consistentes, mas temos o que é preciso para estar na mistura. Ainda não temos uma ideia perfeita da nossa escolha de pneus. Têm algumas opções que aprecem funcionar bem”, indicou. “A estratégia que tenho, porém, é clara o bastante: forçar desde a primeira volta como se estivéssemos em uma classificação!”, completou.

Os tradicionais protagonistas de 2022, por outro lado, vivem momentos diferentes. 0s171 mais lento que o tempo da pole, Fabio Quartararo cumpriu a meta alternativa: não deu para ficar na primeira fila, então ele assegurou o plano B e vai largar em quarto. A posição está longe de ser ruim, mas o líder do Mundial de Pilotos tem uma punição a cumprir ainda no início da corrida.

Por conta da volta longa, Fabio precisa de uma largada espetacular para tentar quebrar o pelotão logo de cara e não ser engolido no bolo quando passar pelo cantinho do castigo. Fora da primeira fila, isso ficou um pouquinho mais difícil. Para piorar, ‘El Diablo’ tem um pelotão enorme de Ducati atrás e as motos italianas são conhecidas pela força do motor. Pode ser um problemão para o titular da Yamaha.

Se está preocupado, contudo, Quartararo não deixa transparecer. “Fiz uma das minhas melhores voltas no ano. Fui no limite”, disse Fabio. “E o ritmo é muito bom”, comentou.

O companheiro de Franco Morbidelli admite, porém, que “o ideal é cumprir a punição quando o grupo estiver espaçado”, algo que pode não ser possível, já que o tempo é escasso: só três voltas para pagar a pena.

“Zarco é o mais rápido, mas nós temos ritmo para brigar. Veremos como será com a penalização. Tem quem diga que perdemos só 0s8 e isso me faz rir. Perdemos mais”, disse o francês, se referindo à observação feita na sexta-feira por Aleix Espargaró, que criticou as diferenças na volta longa de um circuito para o outro. “Prefiro encarar com calma ao invés de terminar no chão. Não acho que isso vai mudar a minha vida”, ponderou.

“Pecco não está nada longe e Aleix, tampouco. A queda não mudará nada dele”, observou.

Fabio Quartararo terá de cumprir a volta longa (Foto: Yamaha)

Só 0s023 mais lento que Fabio, Francesco Bagnaia vai sair em quinto, mas assume que não está muito bem encaixado na Desmosedici. O italiano tem uma diferença de mais de 60 pontos para recuperar no campeonato e sabe que é vital completar a corrida.

“Fiz uma das minhas melhores voltas, mas não foi o suficiente”, comentou Bagnaia. “O nível deste final de semana é brutal. Acabei não me sentindo a gosto com a moto. Me faltam um par de décimos para brigar pela vitória”, explicou.

O piloto de Torino apontou que lhe falta aderência na traseira. Mas, mesmo assim, Pecco não testou a chamativa atualização da Ducati, que provou com Enea Bastianini, Jorge Martín e também Jack Miller asas traseiras que foram batizadas de estegossauro.

“Me falta aderência na traseira. O lado bom é que é só em alguns pontos”, explicou. “As asas traseiras são metade do pacote [aerodinâmico], têm que ir com a carenagem [completa], que eu vou usar na Áustria”, justificou.

Ainda assim, Bagnaia se vê na direção certa, ainda que as coisas tenham saído mais facilmente no GP da Holanda, onde conquistou a terceira vitória do ano.

“Estamos em uma boa direção, mas, em Assen, as coisas me saiam de maneira mais natural”, comparou. “O fato de na pole ter alguém com a mesma moto que eu me dá uma direção”, avaliou.

Ciente dos desafios de Fabio e Aleix Espargaró para o fim de semana, Pecco prometeu tentar aproveitar os problemas alheios para crescer no campeonato.

“Aleix e Fabio são mais rápidos, mas é complicado saber o que vai acontecer. Eu vou ter de aproveitar as eventualidades que afetam ambos, mas não estou no meu melhor momento”, assumiu. “O tempo que fez na classificação me diz que Aleix estará na corrida”, ponderou.

“O mais rápido de todos é Johann Zarco, mas têm seis pilotos com ritmo para estar na frente”, indicou.

Forte ao longo de todo o fim de semana, Aleix Espargaró sofreu um importante revés no quarto treino livre. O catalão foi ejetado da moto e acabou machucado. Por enquanto, o piloto da Aprilia ainda é dúvida para a corrida.

“A queda era a última coisa de que precisávamos. Eu estava me sentindo bem na moto, forçando, e o high-side foi bem violento. Estou com muita dor e está piorando, então, junto com a equipe e com os médicos, decidimos que seria melhor descansar até amanhã e aí avaliar a situação depois do warm-up”, seguiu.

Aleix Espargaró se machucou em uma forte queda no TL4 (Foto: Divulgação/MotoGP)

“Obviamente, farei tudo que puder para estar na pista, mas, como estamos falando de uma parte do corpo que é muito exigida durante a pilotagem, teremos de ver se será possível”, admitiu.

Nesse cenário, Pecco tem uma ótima oportunidade para descontar o atraso na pontuação, mas vai depender fortemente do estrago que a questionável pontuação vai fazer na corrida de Quartararo, no impacto da lesão em Aleix e no quanto ele próprio consegue crescer de um dia para o outro. E, pior para ele, tem mais gente forte e competitiva prometendo apimentar o GP da Grã-Bretanha.

O GP da Grã-Bretanha de MotoGP, em Silverstone, 12ª etapa da temporada, acontece neste domingo, às 9h (de Brasília, GMT -3). O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2022.

HONDA VIVE MÁ FASE NA MOTOGP, MAS RINS FEZ BOA ESCOLHA COM LCR